segunda-feira, maio 19, 2008

MANIFESTO MARCHA LGBT LISBOA 2008


PETIÇÃO CONTRA A ILEGALIZAÇÃO DA LAMBDA ISTAMBUL NA TURQUIA. ASSINA!

Petition: Hands off my association! Equality for everyone!
This petition will continue until the beginning of the legislative period in September. The text and the signatures will be send to the President Abdullah Gul, Prime Minister Recep Tayyip Erdogan, Speaker of the Parliament Koksal Toptan and Chairman of the Parliamentary Constitution Committe Burhan Kuzu.
Thank you for your support and solidarity.
_______________________________________________________
It is with sorrow and disappointment that I learned about the Beyoglu court's decision to close Lambdaistanbul LGBT Solidarity Association.
The court's judgment to shut down Lambdaistanbul on the grounds that its aims are ''against general morality, law and the Turkish family structure'' call attention to the ease with which the inequalities present in society can be justified by law. While homosexuality and transsexuality are not illegal in Turkey, the lack of legislation protecting the equal rights of all persons allows discrimination to continue and has prevented the freedom of association and expression for LGBT people.
I respectfully ask you to support the rights of LGBT people in Turkey and throughout the world by supporting Lambdaistanbul as this important case is appealed to the higher court. In addition; I support the demand of Turkish organizations to add the terms "sexual orientation" and "gender identity" to the equality article of the Turkish constitution.
C'est avec tristesse et déception que j'ai appris la décision de la cour de justice de Beyoglu de fermer l'association de solidarité LGBT Lambdaistanbul.Au pretexte que les buts de Lambdaistanbul « vont à l'encontre de la moralité publique, de la loi et des valeurs de la famille », la cour a décidé de fermer l'association. Cela attire l'attention sur le fait que les inégalités présentes dans la société peuvent facilement influencer la loi. L'homosexualité et la transidentité ne sont pas illégales en Turquie. Cependant ce qui contribue à perpétuer la discrimination, c'est le fait que co-existent dans la législation, d'une part de vagues termes tels que « moralité publique », d'autre part un manque de protection de l'égalité des droits pour toutes les personnes quelles que soient leur orientation sexuelle ou leur identité de genre. C'est là ce qui a entravé la liberté d'association et d'expression des personnes LGBT (Lesbi ennes, gaies, bies, trans').Je vous demande de soutenir Lambdaistanbul pendant cet important procès en appel à la cour suprême, et ainsi de défendre les droits des personnes LGBT en Turquie et partout dans le monde. De plus, je me solidarise avec la revendication portée par des organisations Turques de rajouter les termes « orientation sexuelle » et « identitité de genre » dans l'article de la constitution Turqiue sur la garantie de l'égalité.
Die Beendigung der wegen "Verstosses gegen die allgemeine Moral, das Gesetz und gegen die turkische Familie" gegen Lambdaistanbul, dem Istanbuler LGBTT (Lesben, Schwule, Bisexuelle, Transvestiten,Transgender ) Verein, gefuhrten Gerichtsverhandlung mit dem Beschluss der Schliessung ist ein Beispiel dafur, wie leicht gesellschaftliche Ungleichheiten in ihrer Handhabung vor dem Gesetz sichtbar werden.
Die Verwendung eines relativierbaren Begriffs wie"allgemeine Moral" im Hinblick auf die Meinungs- und Organisationsfreiheit von Lesben, Schwulen, Bisexuellen, Transvestiten und Transsexuellen zeigt wieder einmal, wie lebenswichtig der Zusatz der Begriffe "sexuelle Orientierung" und "Geschlechtsidentiaet" zu den Gleichheitsparagraphen des Grundgesetzes sind.
Mit meiner Unterschrift erinnere ich die Regierung an ihre Verantwortung zur Beseitigung von gesellschaftlichen Ungleichheiten auf und unterstutze LGBTT Vereine und Organisationen in ihrem Bestreben, eine Aufnahme der Begriffe "sexuelle Orientierung" und "Geschlechtsidentitaet" in den Gleichheitsparagraphen des Grundgesetzes zu erwirken.
Click to sign the petition- Assina aqui

Etiquetas: ,

A IGREJA MATA. APOSTATA!

5 de Junho, Lisboa, Conversas sobre Poliamor


Espaço ao Sobrenatural (uma rubrica ficcional)



devindo drogad@ (ou a era dos engenheiros loucos!)

If the soul is still more than a synaptic segregation
yet bothering and a burdening on such temple
Just trade those organs in the pawn shop
and throw off your skin on the first fire feast

Etiquetas:

sexta-feira, maio 16, 2008

CARTA ABERTA À MINISTRA DA SAÚDE

comunicado de imprensa 16 de Maio de 2008
Comemoração do Dia Internacional Contra a Homofobia, 17 de Maio de 2008.

É mais que tempo de acabar com o preconceito na recolha de sangue!

Exma. Sra. Ministra da Saúde, Doutora Ana Maria Teodoro Jorge:
Tendo assumido recentemente a condução do Ministério da Saúde, não queremos deixar de lhe apresentar um caso que, em nossa opinião, se arrasta há demasiado tempo e que configura uma clara e inaceitável atitude discriminatória por parte do Instituto Português de Sangue.

Como será certamente do seu conhecimento, há já vários anos que diversas instituições e personalidades públicas têm denunciado a prática do IPS em excluir os homens que têm sexo com outros homens de potenciais dadores. Houve mesmo um momento, há três anos atrás, em que foi anunciada com pompa e circunstância a revisão do protocolo que justifica tal exclusão. Afinal, a notícia era falsa e nunca foi confirmada pela prática do IPS ou pela vontade, expressa em actos, dos antecessores de V. Exa.

A indignação aumenta por ser um organismo tutelado pelo Estado e directamente pelo Ministério que dirige, que promove atitudes discriminatórias baseadas em conceitos ultrapassados do que são os grupos de risco quando falamos de comportamentos sexuais. Como sabe, Sra. Ministra, outros organismos também tutelados pelo Ministério da Saúde, assim como uma grande maioria dos profissionais na área da prevenção das doenças sexualmente transmissíveis, há já muitos anos que abandonaram esta ideia de que haveria grupos de risco. O que se trata e importa prevenir são os comportamentos de risco e não há comportamentos exclusivos de heterossexuais ou de homossexuais. Aliás, num estudo recentemente divulgado pelo Instituto de Ciências Sociais, conclui-se que uma preocupante taxa de jovens (e não jovens) não utiliza preservativo nas relações sexuais, que os comportamentos de risco estão muito mais generalizados do que seria de prever, mais de duas décadas após o surgimento dos primeiros casos de HIV em todo o mundo.

Há exactamente um ano, as Panteras Rosa dirigiram ao então Ministro da Saúde estas questões. Na sequência desta iniciativa fomos convidados a debater directamente com os responsáveis pelo IPS a sua política para a doação de sangue, e em reunião ficámos a saber que o IPS justifica a sua prática com protocolos internacionais a que está obrigado. Disse-nos ainda o Presidente do IPS que esta exclusão reside unicamente em dados epidemiológicos recolhidos nos EUA. A ausência de estudos que reflectissem a realidade portuguesa foi um dado apontado como limitador de um maior conhecimento e adequação das práticas à realidade.
Há um ano atrás o presidente do IPS aceitou que uma análise ponderada à realidade nacional poderia fazer o IPS inflectir a sua política caso os dados recolhidos para aí apontassem. Deixámos claro, porém, neste contacto com o IPS – posição em que aliás fomos secundados pelo coordenador nacional para o VIH-SIDA e pelas associações Médicos Pela Escolha e Grupo de Acção e Tratamento VIH-SIDA (GAT), que tal decisão não deverá depender de qualquer estudo epidemiológico: nenhum estudo sobre um grupo social, mesmo que conclua que existam diferenças em termos de epidemiologia (e essas são sempre conjunturais e mutáveis ao longo do tempo, exigindo sempre estudos sucedâneos), pode servir para uma exclusão generalista do mesmo grupo social, porque o foco da selecção dos dadores deve estar nos comportamentos e práticas sexuais de risco, e não na orientação sexual das pessoas, ou seja, cada pessoa é um caso.
Hoje sabemos que o sistema de recolha de sangue está próximo da ruptura em notícias que foram públicas há alguns meses, que a quantidade de sangue recolhida é absolutamente insuficiente para as necessidades. Sabemos ainda, por casos tristemente célebres, que a qualidade do sangue não é garantida pelo sistema que temos e que o IPS tanto preza.
Algum conhecimento da realidade dos hábitos sexuais dos portugueses foi revelado pelo estudo dos ICS e nada nem ninguém nos convenceu que a noção de grupos de risco não é um conceito absolutamente ultrapassado pelas práticas científicas.

Um ano depois e a propósito da comemoração, amanhã, dia 17 de Maio, do Dia Internacional Contra a Homofobia, as Panteras Rosa – Frente de Combate à LesBiGayTransfobia, vêm solicitar-lhe uma decisão política que acabe com a prática discriminatória na recolha de dádivas de sangue por parte do IPS e que garantam procedimentos seguros e eficazes na recolha de sangue.

Certos de que a discriminação é inútil para assegurar a qualidade do sangue e de que o preconceito é prejudicial para o funcionamento de um sistema de doação solidária e fundamental para a saúde pública, queremos acreditar que o Ministério que dirige imporá, finalmente, regras claras e responsáveis para a recolha de sangue no nosso país.

Movimento Panteras Rosa – Frente de Combate à LesBiGayTransfobia

Etiquetas: , , ,

quinta-feira, maio 15, 2008

Espaço ao Sobrenatural (uma rubrica ficcional)




...De então a esta parte, nos ficámos entre os perplexos e os vivos. Sem filhos de deus, sem sujeitos históricos, nas mãos com a ideia que a verdade é um consenso performativo. Sem acção não há verdade, e sem paz não há verdade.
Ficámos com o inconsciente ao colo.

Etiquetas:

quinta-feira, maio 08, 2008

Espaço ao Sobrenatural (uma rubrica ficcional)



O label, o rótulo, serve para discriminar. Nós e eles. Não diz quem fica por cima e por baixo no ranking das relações de poder. Mas essas o que dizem é quem pode agir ou não.

Etiquetas:

segunda-feira, maio 05, 2008

PANTERAS no MAYDAY 2008













trabalhadores/as do sexo, criemos um sindicato.
Submissão só na cama (e é com consentimento informado).
bicha/fufa=precariedade.
transsexual=discriminação laboral.
competência laboral não está nos genitais.
A exploração não dá tesão, a precariedade tira a vontade!

A fufa também labuta/ O paneleiro também é trabalhad...eiro: heterosindicalismo NÃO!












Etiquetas:

LES - Grupo de Discussão sobre Questões Lésbicas


O LES - Grupo de Discussão sobre Questões Lésbicas www.lespt.org pretende contribuir para a reflexão sobre as questões lésbicas e para o desenvolvimento de acções que promovam os direitos e a igualdade de oportunidade das mulheres lésbicas nas várias dimensões da sua vida. Queremos, desta forma, colaborar na criação de uma melhor qualidade de vida para todas e todos.

Desejamos que o LES se caracterize pela diversidade de temas, de formas de abordagem e de colaborações. Procuraremos, neste contexto, divulgar e publicar opiniões, discussões temáticas, pesquisas e investigações sobre Questões Lésbicas não só na Internet, mas também em encontros, conferências e congressos.

O blog
Sexualidades no Feminino, da responsabilidade de Eduarda Ferreira e Maria João Silva, será um meio de divulgação das reflexões que este grupo for desenvolvendo.

Próxima actividade:
Encontro - dia 17 de Maio de 2008 - 15h00
Tema: Identidade Sexual
Dinamizado por Gabriela Moita
Local: Rua do Paraíso, 250 - Porto (a estação de metro Faria de Guimarães fica muito perto do local do encontro)

quinta-feira, maio 01, 2008

Marcha Global da Marijuana 2008



Etiquetas: ,

Observatório Homofobia/Transfobia na Saúde @ Médicos Pela Escolha
DIVULGAÇÃO